Afastamentos crescem 22 vezes !

A quantidade de afastamentos de profissionais por transtornos mentais e comportamentais registrada pela Previdência Social cresceu 22 vezes.

De 2006 a 2009, auxílios a trabalhadores por doenças como depressão e estresse saltam de 612 para 13.478, segundo o Ministério da Previdência.

A principal causa segundo Remígio Todeschini, Diretor de saúde e segurança ocupacional, é a mudança em 2007 da notificação – o profissional não tem mais que provar que a doença foi causada pelo trabalho.

Estresse e depressão são transtornos que mais afastam trabalhadores

Jornadas excessivas, ambientes competitivos e hostis e pressão por metas estão entre os principais detonadores. Somam 9 em cada 10 casos de afastamento por transtornos mentais e comportamentais, que juntas equivalem a 12.277 auxílios doença acidentários nessa categoria.

Conforme a coordenadora do grupo Organizações do Trabalho e Adoecimento da Fundacentro, Maria Maeno, “são pessoas que não só adoeceram, mas também ficaram incapacitadas (temporariamente) para o trabalho. Muita gente incapacitada está trabalhando na esfera privada e na pública.

O Psiquiatra Kalil Duailibi comenta que “alguns se escondem com receios de estigmatizados. Temem ser demitidos ou ter o salário reduzido, acrescenta o psiquiatra Catulo César Barros.

Com esse medo e sob pressão de metas e resultados, esses profissionais tentam manter o nível de produtividade elevado. Estendem jornada de trabalho quase automaticamente, com excesso constante aos e-mails e de prontidão para telefonemas.

Alguns exemplos de doenças, podemos mencionar a Taquicardia e Pressão Alta devido ao aumento da jornada de horas de trabalho dentre outras.

Sintomas de Estresse:

Agitação, nervosismo, temor, irritabilidade, dificuldade para relaxar e dormir e noites de sono mais curtas que o habitual, cefaléia ou dor no pescoço, formigamento, sudorese e palpitação.

Sintomas de Depressão:

Humor persistentemente triste ou ansioso, sentimento de desespero, pessimismo, culpa e impotência, perda do interesse ou prazer em atividades anteriormente apreciadas, pouca energia e sensação de fadiga, insônia, despertar precoce ou dormir demais, inquietação e irritabilidade.

Monitoramento é recurso para avaliar saúde mental de equipes

Para combater estresse e depressão no trabalho, a iniciativa privada se arma de estatísticas e programas voltados á qualidade de vida.

Como exemplo, na SulAmérica os remédios mais vendidos aos 150 mil segurados são antidepressivos e ansiolíticos para tratamento de estresse e depressão.

A empresa também investe em acompanhamento por telefone, dança, coral, massagem e terapias alternativas como reflexologia e bambuterapia. Com isso, na avaliação anual, tiveram um crescimento dos índices de satisfação no quesito equilíbrio da vida pessoal e profissional.

No Fleury depressão e estresse figuram em terceiro lugar entre as doenças que mais atingem os profissionais.

Governo

No dia 5 de Maio foi publicada a portaria nº 1.261, do Ministério do Planejamento, com diretrizes para projetos de saúde mental a servidores federais.

Para o órgão a maior parte dos afastamentos do trabalho “são de ordem mental”.

Entre as ações estão programas educativos, monitoramento de riscos ambientais e assistência terapêutica.

Essas iniciativas evitariam que alguém em “sofrimento psíquico” desenvolvesse “transtorno mental”.

Fonte: Jornal Folha de S.Paulo – Publicação: Domingo, 30 de maio de 2010.

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer juntar-se a discussão?
Deixe sua mensagem !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *