Posts

O convívio com a dor e a incapacidade de lidar com ela trazem, além do próprio desconforto físico, sentimentos e emoções decorrentes do estresse, que acabam por intensificar as sensações presentes. Pessoas ansiosas, quando tem dor, sentem maior perda do controle e, consequentemente, apresentam maior nível de tensão. Quadros depressivos influenciam, negativamente, a percepção da dor e a automotivação. Raiva, hostilidade, prejuízo no sono, na produtividade e nas relações sociais são fatores comumente associados aos quadros de dor.

Quando trata-se de um caso crônico, são necessárias adaptações na rotina e isto também interfere no estado emocional do indivíduo com dor, podendo levá-lo a não aceitação, a um estado de revolta ou de depressão.

Desta forma, podemos dizer que o sofrimento vai além do físico e consiste em um estado grave de angústia, associada a eventos que ameaçam sua integridade.

Diante deste quadro, o trabalho psicológico consiste no auxílio à identificação dos recursos de enfrentamento que o indivíduo com dor possui para lidar com as alterações necessárias na vida, em função da dor ou dos demais fatores relacionados. Sua capacidade de adaptação, através do estímulo à percepção de seus recursos internos é explorada, bem como é mensurado o significado dado à dor e aos eventos da vida. Uma vez identificado o padrão de comportamento que favorece a piora do quadro álgico, passam a ser abordados os aspectos necessários para as mudanças.

Recursos como técnicas que visam um estado de relaxamento (através da imaginação, da percepção corporal, da respiração e da música) são utilizados e auxiliam o indivíduo a desenvolver maior autocontrole e melhor percepção do próprio corpo e de seu estado emocional.

Deste modo, o acompanhamento psicológico auxilia no manejo do estresse, na percepção e compreensão de queixas distorcidas a respeito da dor, na transformação da postura do paciente diante de seu próprio tratamento e dos eventos da vida que o incomodam, tornando-o mais ativo e melhorando sua qualidade de vida.

Claudia Mussa